Dagoberto se licencia e Felipe Orro assume o comando do PDT em MS

0
103
O deputado estadual Felipe Orro é o novo presidente regional do PDT. Ele assumiu o cargo após o afastamento voluntário do então presidente Dagoberto Nogueira, decisão tomada em reunião realizada na noite desta terça-feira (26), na sede do partido, em Campo Grande. Dagoberto explicou que pretende se dedicar a sua pré-candidatura a deputado federal no ano que vem, por isso prefere se licenciar do cargo e transmitir a presidência do PDT a Felipe Orro.

Na reunião estavam presentes membros do diretório regional e da executiva estadual, além de lideranças do partido como o vereador e presidente do diretório municipal de Campo Grande, Paulo Pedra, os prefeitos Marcelo Melo, de Jardim; Darcy Freire, de Douradina; Wallas Milfont, de Itapora; Vagner Gomes Vilela, de Jaraguari; Julio Cesar de Souza, de Paranhos; os vice-prefeitos João Dias, de Jateí; Milton Sena, de Nova Andradina, e Laércio Valério, de Anastácio.
O governador André Puccinelli também compareceu à reunião, reiterou seu desejo de manter aliança com o PDT, mas disse que tem um compromisso com o partido, “independente de se formos ou não estar juntos em 2014”.
Dagoberto Nogueira disse que a intenção é fortalecer o PDT com a adesão de novos quadros visando as eleições do ano que vem, quando se pretende ampliar a bancada na Assembleia Legislativa (restrita a Felipe Orro) e eleger pelo menos um deputado federal. Há também o desejo de ter novamente no comando do PDT o ex-conselheiro do Tribunal de Contas, João Leite Schimidt. Seria o nome ideal para conduzir o partido no período eleitoral, já que tanto Dagoberto quanto Felipe Orro são candidatos e estariam envolvidos nas respectivas campanhas.

O deputado Felipe Orro agradeceu a confiança do diretório ao entregar-lhe o comando do partido, disse que vai trabalhar para atrair lideranças fortes que possam até encabeçar chapa ao governo, se assim for necessário, mas lembrou que o PDT está aberto a discutir alianças, porém sem nenhuma prévia definição. “Não há nada garantido, por enquanto só o PT tem candidato a governador, os outros partidos ainda discutem nomes ou mesmo a conveniência de candidaturas. Então o PDT também precisa avaliar esse quadro com cautela. Nossa meta é fortalecer o partido”, afirmou.