Mara Caseiro destaca Outubro Rosa e reivindica mais suporte para prevenção ao Câncer

0
243

A deputada estadual Mara Caseiro (PSDB) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (5) para destacar o Outubro Rosa, movimento internacional voltado à conscientização sobre a importância da detecção precoce do câncer de mama.

Ela também aproveitou a ocasião para reivindicar melhor estrutura e suporte às mulheres para a prevenção, uma vez que o diagnóstico precoce proporciona melhores chances de cura.

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil. Depois do câncer de pele não melanoma, responde por cerca de 25% dos casos novos a cada ano.

Segundo estatísticas do INCA (Instituto Nacional de Câncer), 57 mil novos casos devem ser registrados no Brasil em 2016.

O câncer de mama ainda é a doença de maior ocorrência nas mulheres em Mato Grosso do Sul. De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado, a estimativa é de 820 casos novos aqui em nosso Estado e de 460 casos novos em Campo Grande somente em 2016.

“O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento, pois 95% dos casos têm cura, desde que o paciente procure ajuda precocemente. Não adianta apenas fazer o autoexame, é preciso procurar ajuda. Eu detectei nódulos em meu seio, mas só busquei apoio médico oito meses depois, o que resultou em um tratamento muito mais doloroso e invasivo”, testemunhou a parlamentar.

Mara Caseiro também lamentou que o município de Eldorado, no Conesul do Estado, tenha recebido um mamógrafo há mais de quatro anos, por meio de emenda parlamentar de sua autoria, mas não tenha colocado o equipamento em funcionamento, devido a divergências políticas com a atual administração.

“É muito triste ver que as mulheres da minha cidade poderiam estar fazendo seus exames perto de casa, assim como as mulheres dos municípios vizinhos, mas precisam se deslocar para cidades como Cascavel, Dourados ou Campo Grande. O equipamento está lá, encaixotado há quatro anos, devido à falta de compromisso de um gestor que não passou pela dor do câncer, como eu passei”, afirmou.

O Instituto Nacional do Câncer, ligado ao Ministério da Saúde, recomenda alguns procedimentos básicos para prevenir a doença, como o autoexame, consultas médicas regulares, mamografia após os 50 anos, adoção de hábitos saudáveis e amamentação a longo prazo.

Alguns sinais podem ser detectados pelas próprias mulheres, como caroços fixos, endurecidos, e, geralmente, indolores; pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja; alterações no mamilo, pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço, além da saída espontânea de líquido dos mamilos.

Os deputados Paulo Corrêa (PR), Rinaldo Modesto (PSDB), Coronel Ivan (PSC) e Antonieta Amorim (PMDB) apartearam a deputada e concordaram que é preciso fazer gestões para que o governo diminua cada vez mais a idade mínima para início dos exames de mamografia, fixada hoje em 50 anos.

Mara Caseiro e seus colegas ressaltaram que a medida é necessária, uma vez que o câncer de mama vem acometendo cada vez adolescentes e mulheres jovens, não apenas em Mato Grosso do Sul, mas em todo o país.

Fernanda França