Grupo terrorista paraguaio invade fazenda, mata guarda e queima carros

Novo ataque no paraguai

0
466

Campograndenews/foto Última hora

Cerca de 10 homens armados atacaram a Estância Santa Tereza, que fica na Colônia Estrellita, em San Pedro, no Paraguai, na noite deste sábado (22). Os autores que seriam integrantes do EPP (Exército do Povo Paraguaio), conhecido como um grupo terrorista, mataram um funcionário e queimaram veículos.

O segurança executado foi identificado como Nery Germán Araújo. Ele chegou a ser levado ao Hospital Santaní, onde o óbito foi confirmado. A vítima foi atingida por seis disparos de uma espingarda e um fuzil. De acordo com o relatório da Perícia, um tiro na cabeça matou o guarda. Além disso, o tiro do fuzil destruiu uma de suas pernas.

O ataque aconteceu por volta das 22h. A princípio, outro guarda havia sido levado como refém. Mais tarde, Nery Araújo chegou com outro funcionário em uma motocicleta, viu que um dos colegas tinha sido capturado e começou uma troca de tiros com os autores.

Araújo tentou fugir, mas foi atingido pelos disparos. O seu parceiro entrou em uma área arborizada e conseguiu escapar do ataque e detalhou o ataque à reportagem.

Semelhança – Os autores espalharam panfletos, assim como os avisos, normalmente, deixados pelo EPP, sobre a proibição de cultivo de soja, as árvores derrubadas e o cuidado do canal dos córregos. O grupo destruiu a casa da propriedade, queimaram duas motos, um micro-ônibus e a casa de guarda.

Últimos 2 ataques – Durante o governo do Presidente da República, Mario Abdo Benítez, houve dois ataques do EPP, no Departamento de San Pedro. Se confirmado a autoria, este será o terceiro caso envolvendo o grupo armado.

O primeiro deles foi no 20 de novembro, quando o brasileiro Valdir de Campo foi morto. Aconteceu em El Ciervo, em Santa Rosa Del Aguaray. Na ocasião, o colono foi feito refém junto com outros seis trabalhadores. O EPP queimou três caminhões, dois tratores e vários acampamentos.

O segundo incidente ocorreu na noite de 7 de dezembro, quando o grupo criminoso novamente atacou uma fazenda de brasileiros localizados entre os distritos do General Resquín e San Vicente Pancholo. No local, também incendiaram pequenos aviões da fazenda Estrellita.

Lá, eles queimaram aviões leves e máquinas que causaram perdas milionárias aos donos do lugar. Naquela ocasião, não houve vítimas fatais. O denominado Exército do Povo Paraguaio mantém em cativeiro suboficial da Polícia Nacional Edelio Morínigo.
Veja também Advogada morre na fronteira