Pelo 2º ano consecutivo, Maracaju apresenta redução nos índices de criminalidade

Índices de criminalidade caiu em Maracaju

0
246

ASSECOM Polícia Civil

Em face do intenso policiamento preventivo realizado pela Policia Militar e o eficaz trabalho investigativo da Polícia Civil, no ano de 2018 o número de ocorrências criminais diminuiu significativamente, conforme o relatório apresentado pela Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Estado do Mato Grosso do Sul.

Durante o ano passado, na Delegacia de Polícia de Maracaju foram registrados 2.162 boletins de ocorrência (em 2017 foram 2422) dos quais 1418 noticiaram fatos penais e que foram alvo de investigações por parte do Setor de Investigações Gerais (SIG) e que resultaram no encaminhamento de 611 procedimentos investigativos ao Poder Judiciário, enquanto os demais boletins houve desistência parte da vítima ou continuam em diligências investigativas.

Houve grande redução de crimes graves na cidade, pois foram registrados apenas 29 roubos (práticos com violência ou ameaça) em 2018 em comparação com o anterior que foram noticiados 48 roubos, sendo um decréscimo de mais de 39%.

Crimes contra a vida

Nos crimes contra a vida, foram registrados 06 homicídios consumados dos quais 05(cinco) foram resolvidos com identificação de autoria (83%), enquanto em 2017 houve 08 homicídios, demonstrando uma redução de 25%. Nos homicídios tentados houve registro de apenas 06 casos no ano de 2018, os quais tiveram 100 % de identificação de autoria, e demonstram uma radical redução durante os anos, pois em anos anteriores se registravam mais de 30 tentativas de homicídios (exemplo de 2013).

No tocante aos furtos, houve redução de mais de 13%, tendo em vista que foram registrados no ano passado 306 furtos, com resolutividade de aproximadamente 18%, e no ano de 2017 houve 355 furtos.

Violência contra a mulher

Apesar de um aumento de pouco mais de 3% no número de registros de violência doméstica contra mulher, tendo em vista que foram registrados 265 boletins no ano de 2018, esta estagnação reflete a diminuição nas ocorrências não registradas (cifra negra) e que não geravam investigação policial, sendo que após a criação na Delegacia de Polícia de Maracaju do cartório de atendimento à mulher em 2014 e a iminente instalação da Sala Lilás, os números cresceram vertiginosamente, pois pouco mais de 70 boletins de ocorrência eram registrados anualmente antes daquele atendimento especializado.