Pesquisa vai aumentar a maciez da carne bovina

0
324

Cerca de 60 criadores de sete estados vieram a Mato Grosso do Sul para conhecer a pesquisa que tem como finalidade o aumento da maciez da carne bovina. Desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), por meio do Programa de Melhoramento Genético Geneplus, a pesquisa que já desperta curiosidade, teve início há um ano e apresentará seus primeiros resultados em 2016. Nesta segunda-feira (13) na Fazenda Relva, em Aquidauna, durante o 3º Circuito Geneplus Embrapa, os produtores conheceram alguns dos animais monitorados pelos técnicos. O evento, que passará por cinco municípios, se estende até a próxima sexta-feira (17).

De acordo com o pesquisador do Programa Geneplus, Leonardo Nieto, os animais são estudados por meio de análise de DNA. “A partir da coleta de sangue e de pelos da calda, chegamos a dados que nos apresentam aqueles com maiores probabilidades de gerar progênies mais produtivas. Estes serão selecionados e terão a genética replicada, excluindo os que não propiciam carne de alto padrão”, detalha Nieto, ao afirmar que são necessário outros procedimentos para se chegar o resultado. “Pesagem frequente e utilização de ultrassonografia da carcaça contribuem para um resultado mais efetivo”.

A pesquisa integra o Projeto Genômica, que além da maciez da carne e outros resultados, identifica os melhores reprodutores e matrizes do plantel, com o objetivo de estimular o melhoramento genético.

A Genética Aditiva, empresa que administra a Fazenda Relva, tem três mil matrizes Puras de Origem inclusas no Programa Geneplus, todas monitoradas pelo Projeto Genômica. “No Brasil existem quatro ferramentas similares que podem identificar a melhor genética para que seja multiplicada. Buscamos nos atualizar e nos inserir em um programa que usa tecnologia de ponta, para que a propriedade possa alcançar maior rendimento frigorífico, com animais mais pesados, com carne de qualidade e aplicar também para ampliação da produção de leite”, destaca o diretor de negócios da Genética Aditiva, Eduardo Folley Coelho.

Para o responsável técnico da empresa, Argel Silveira, selecionar os animais com maior probabilidade de gerar carne macia, dentre outras características, beneficia o plantel com a qualidade e o criador com rentabilidade. “Há uma demanda crescente por proteína vermelha e o nível de exigência do consumidor acompanha isso. Prezar pela qualidade colocará o pecuarista em um patamar positivo, capaz de superar a rentabilidade de outras atividades rurais, como a agricultura”, enfatiza.

O produtor rural de Três Lagoas, Antônio Figueira Júnior, acompanha o Circuito Geneplus com o objetivo de adquirir animais com capacidade produtiva superior ao normalmente praticado. “As entidades de pesquisas nos dão norte do que será praticado e de que forma o mercado se comportará. Unir nomes tradicionais na evolução da pecuária com tecnologia só tem um resultado: sucesso, o que todo pecuarista quer. E o melhor, ainda entregando ao mercado carne de excelência”.

Nesta terça-feira (14), o 3º Circuito Geneplus Embrapa vai até Bandeirantes. Já na quarta-feira (15), apresentará a evolução da linhagem Lemgruber, na Fazenda Elge, em Dois Irmãos do Buriti e seguirá para Miranda. O Circuito finaliza na sexta-feira (17), apresentando dados da pecuária pantaneira em Corumbá.