Polícia Civil de Maracaju prende autor feminicídio ocorrido na Vila Adrien

0
854

Assecom Polícia Civil

Na noite de hoje (dia 13/11/2017), o Setor de Investigações Gerais (SIG) da Delegacia de Polícia de Maracaju prendeu VALDEMIR VALENSUELA (47 anos) em cumprimento ao mandado de prisão expedido pelo juízo da 1ª Vara desta comarca.

Valdemir era suspeito da morte da vítima Marta de Jesus Cavalheiro (37 anos) ocorrido no último dia 10/04/2018, na Rua Independência, no Bairro Vila Adrien.

Marta e Valdemir foram casados por aproximadamente vinte anos e estavam separados há mais de um ano, porém Valdemir não aceitava a separação e perseguia a vítima, bem como ligava frequentemente para a vítima ameaçando-a de morte e proferindo injúrias, o que fez com que a vítima registrasse três boletins de ocorrência e solicitasse medida protetiva que proibia Valdemir de aproximar-se da vítima, porém ele descumpria a determinação judicial e passava em frente a casa onde ela morava diariamente e continuava as ligações perturbadoras.

Com ciúmes doentio pela vítima, Valdemir não aceitava que ela tivesse outro relacionamento amoroso, sendo que ao ver que na casa onde ela estava morando havia alguns amigos iniciou seu plano criminoso para matar a vítima.

Valdemir foi até a casa e pegou sua filha de três anos de idade e tentou atrair a vítima para sua casa pedindo a ela que fosse buscar a criança, porém com a recusa ele tomou posse de uma faca e foi ao encontro da vítima.

Aproveitando-se que a vítima estava com sua filha nas mãos e não tendo como se defender, Valdemir a surpreendeu com três golpes de faca, fazendo com a vítima ainda deixasse sua filha na calçada para não ser atingida pelas agressões e corresse para a casa onde não resistiu aos ferimentos e morresse no local.

O autor permaneceu foragido até a tarde de hoje (13/04/2018) quando se apresentou na Delegacia de Polícia e foi indiciado por homicídio triplamente qualificado (motivo fútil, recurso que dificultou a defesa da vítima e violência doméstica), oportunidade em que confessou as agressões e alegou que a vítima teria lhe xingado e tentado lhe agredir, por isso teria se defendido golpeando a vítima, o que destoa da versão das testemunhas ouvidas durante as investigações.

Tendo em vista que apesar de a Autoridade ter representado pela prisão preventiva de Valdemir, a decisão judicial ainda não havia prolatada, motivo pelo qual ele foi liberado.

Algumas horas depois, o mandado de prisão foi expedido e a equipe de policiais civis procederam a diligências, localizaram Valdemir e o prenderam.