Reinaldo Azambuja recebe diploma e promete governo humano e eficiente

0
229

O deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) foi diplomado pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral) governador de Mato Grosso do Sul , nesta noite de segunda-feira (15), no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, em Campo Grande. Em seu discurso, o governador eleito assumiu o compromisso de fazer um governo eficiente e que responda aos anseios da sociedade.

 

“Basicamente o cidadão nos cobra um governo que funcione, um governo que cumpra os seus deveres nos âmbitos das diversas políticas públicas, que não atrapalhe quem trabalha e produz. E um governo que funciona tem a obrigação de transformar os altos impostos, que todos pagamos, em serviços públicos de qualidade. Vamos perseguir essa meta de forma absolutamente obstinada e concreta, em todos os cantos”, disse.

 

Reinaldo Azambuja reafirmou que vai trabalhar para melhorar os indicadores de saúde, educação, segurança pública, priorizar a área logística, e contou que a área social terá destaque no governo que se inicia em 1º de janeiro. “Teremos um olhar muito especial e diferenciado no campo social. A relevância que vamos imprimir nessa área está representada pela escolha emblemática que fizemos: ela estará sobre responsabilidade direta da nossa vice-governadora, Rose Modesto. Estaremos juntos conduzindo este que é um dos nossos maiores e densos desafios: fazer um governo que gosta de gente, que cuida das pessoas, especialmente das que menos têm e as que mais precisam”.

 

O governador eleito também prometeu respeitar as instituições e os demais poderes e fazer parcerias para aproximar o poder público do cidadão. Ele afirmou que irá buscar apoio em todos os segmentos, inclusive de lideranças que não fazem parte do mesmo campo político.

“Vamos reordenar e inverter prioridades. As prioridades do nosso governo serão as prioridades das pessoas. Foi para isso que fomos eleitos e é para isso que estamos aqui. É hora de gastar menos com o próprio governo, com o seu gigantismo e sua burocracia, para poder investir mais nas pessoas, na população. Isso nos remeterá irremediavelmente a um Estado mais enxuto e mais austero. Um Estado que cuida bem de cada centavo do dinheiro público, se colocando a serviço da comunidade e das grandes causas coletivas”, afirmou.