Segunda maior apreensão de cocaína de MS seria levada como celulose

0
545
Cocaína apreendida pela PF: parte do carregamento já estava em uma das carretas para ser transportada (Foto: PF/Divulgação)

Campo Grande News

Carga de 954 quilos da droga estava em um galpão na BR-158, em Três Lagoas e seria levada para distribuição a partir de São Paulo.

Os traficantes presos em Três Lagoas pela Polícia Federal usavam um galpão na BR-158 como entreposto para troca de veículos e transporte da droga para São Paulo. Na operação, desencadeada neste fim de semana, os policiais apreenderam 954 quilos de cocaína, a segunda maior apreensão da história em MS.

O delegado da Polícia Federal em Três Lagoas, Caio Martins de Lima, falou há pouco em entrevista coletiva que a operação começou na sexta-feira (15), depois que receberam informações da chegada de dois carregamento de cocaína, sendo que um já estava em depósito da cidade e outro chegaria entre sábado e domingo.

Na investigação, os policiais identificaram os veículos usados na ação e o galpão usado pelos traficantes. Ontem, a equipe da PF aguardou a chegada da carreta para fazer a abordagem. “Quando chegamos, eles tinham acabado de fazer transbordo da droga para outra carreta, já para ser levada”, disse o delegado, em coletiva essa manhã, em Três Lagoas.

Seis homens foram presos na operação, todos de Campo Grande. Segundo a polícia, o dono do galpão não está entre os detidos, pois teria alugado o espaço de boa fé. “Aqui era o momento mais tranquilo para eles, já tinham transportado a droga da fronteira”. O delegado explicou que ainda não tem informações se a cocaína veio do Paraguai ou da Bolívia. A PF, apreendeu, ainda, três carretas e um veículo de passeio.

O delegado não informou qual o destino final da droga, mas que seria redistribuída a partir de São Paulo. Também não quis estimar valor de mercado da cocaína apreendida. Os traficantes usavam fretes mistos, colocando a droga em meio a carga de celulose.

Esta é a segunda maior apreensão da história de MS. O recorde ainda é da PF de Corumbá, 1,5 tonelada da droga, em flagrante de 2015. A segunda posição era da PRF (Polícia Rodoviária Federal), do dia 22 de janeiro, quando foram encontrados 940 quilos de cocaína, na BR-463, avaliada em R$ 30 milhões.