Suspeito de acender rojão que matou cinegrafista é preso na Bahia

0
184

Caio Silva de Souza, suspeito de ter provocado a morte do cinegrafista Santiago Andrade durante ato contra o aumento da tarifa de ônibus no Rio de Janeiro, na semana passada, foi preso na madrugada desta quarta-feira em uma pousada na cidade de Feira de Santana, na Bahia.

 

Ele foi preso pelo delegado que investiga o caso, Maurício Luciano, titular da 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão), do Rio de Janeiro. O suspeito foi encontrado sozinho e não reagiu.

 

Hergleidson de Jesus Moreira, recepcionista da pousada, afirmou que Souza havia se hospedado nessa terça no período da tarde, com o nome de Vinícius Marcos de Castro. Como não estava trabalhando nesse horário, Moreira não sabe se o suspeito usou algum documento para se registrar.

 

Por volta de 2 horas da madrugada do horário local (3h de Brasília), o recepcionista contou que chegaram à pousada policiais civis, acompanhados do advogado e da irmã do suspeito. Após a mulher conversar com o irmão, ele deixou o quarto acompanhado por dois policiais civis. Moreira disse que só descobriu quem era o então hóspede após fazer uma pesquisa na internet.

 

Foi o próprio delegado que entrou no quarto e anunciou a prisão. Ele estava acompanhado de Jonas Tadeu, advogado de Caio Silva de Souza e também de Fábio Raposo, homem que entregou o rojão para Caio durante a manifestação da quinta-feira.

 

Mauricio Luciano afirmou, que tinha informações por meio da inteligência que Caio Silva de Souza havia deixado o Rio de Janeiro em direção ao Nordeste nessa terça-feira, logo após saber que sua prisão havia sido decretada.​

 

“A gente não tem a menor dúvida, através das provas testemunhais, dos vídeos, das provas técnicas, que foi ele quem acendeu e deflagrou o artefato que atingiu o cinegrafista da Rede Bandeirantes”, garantiu o delegado. “Ele foi encontrado sozinho, dizendo que estava com fome e há dois dias sem dormir, muito assustado. E com a ajuda do advogado, ele se entregou e não ofereceu resistência à prisão.”

 

O advogado afirmou, também segundo a emissora, que Souza seguia em direção ao Ceará, para a casa de um avô. O suspeito, no entanto, parou no meio do caminho, em Feira de Santana, depois de ser convencido a se entregar. Jonas Tadeu e a namorada do suspeito ajudaram nessa negociação. “O advogado ajudou no convencimento para que Caio não mais fugisse, e a namorada pediu para acompanhar porque seria a pessoa mais indicada para acalmá-lo no momento da prisão”, disse o delegado Mauricio Luciano.

 

Maurício Luciano afirmou que a previsão é que Caio, 23 anos, chegue ao Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, por volta de 9 horas desta quarta-feira. De lá ele deve ser levado para a Cidade da Polícia, no Jacarezinho, onde deverá ser apresentado.

 

Jonas Tadeu declarou que seu cliente estava desesperado, e com medo de sofrer represálias, por conta da repercussão do caso.

 

Procurado por homicídio doloso qualificado – quando há intenção de matar – por uso de artefato explosivo e pelo crime de explosão, o suspeito era considerado foragido pela polícia, desde que foi expedido um mandado de prisão temporária em seu nome na noite de segunda-feira. O Disque-Denúncia havia lançado nessa terça-feira um cartaz com a foto do suspeito. Segundo informações, ele é morador da Baixada Fluminense e tem duas passagens pela polícia.