Maracaju 100 anos
MARACAJU

Sindicato Rural de Maracaju participa de AERMS



O presidente do Sindicato Rural de Maracaju, Arthemio Olegário de Souza Junior, participou da Academia de Empreendedorismo Rural (AERMS) no dia 15 de março na sede da Federação da Agricultura e Pecuária do MS (Sistema Famasul).

 

 

A AERMS é um fórum de análises estratégicas criado para desenvolver, capacitar e aperfeiçoar lideranças do agronegócio de Mato Grosso do Sul. Inicialmente vai desenvolver quatro projetos voltados para a formação e fortalecimento de lideranças, intercâmbios e educação infanto-juvenil.

 

 

Conforme o diretor executivo do site Observador Político, Xico Graziano, a iniciativa fornece bases para as mudanças essenciais do agronegócio brasileiro, ainda caracterizado pela cultura individualista e pela falta do entendimento do conceito de empreender. “Com o consumidor mais exigente, a disponibilidade tecnológias e a velocidade da comunicação, quem opera no campo precisa de atualização”, enfatizou

 

 

Graziano também ressaltou a importância da modificação da imagem que o campo passa à opinião pública. “O setor ainda não aprendeu a comunicar-se adequadamente com a sociedade, principalmente com a ascensão das mídias sociais”, provocou.

 

 

Durante a abertura do evento, o coordenador do projeto Líder MS II, professor Fernado Curi Peres, mostrou as fases históricas do setor e ressaltou a importância da AERMS no conceito regional. “A academia é atual e visionária ao optar por desenvolver capital humano e social, trabalhando crianças e jovens, mas principalmente, convocando lideranças”, enfatiza Peres.

 

 

Para o presidente do Sistema Famasul, Eduardo Riedel, com a criação da Academia, no futuro trabalharemos com pessoas que entendem de agronegócio de uma forma mais concreta e ampla. Riedel salientou a importância do projeto Agrinho e o de intercâmbio na formação do público infanto juvenil.

 

 

Renovação – Também palestrantraram no evento, o ex-presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Luiz Hafers, enfatizou o real papel do jovem produtor no desenvolvimento do agronegócio brasileiro. Após comparar técnicas desenvolvidas na agricultura entre os países da América Latina, Hafers destacou que não desconsidera o trabalho dos antigos, mas que o jovem é responsável pela ruptura da zona de conforto do setor e o classificou como o principal disseminador de informações. “Não basta conjugarmos o verbo ter, temos de saber. E ter conhecimento para defender a categoria é uma das características dos jovens que estão antenados com as mudanças que ocorrem cotidianamente”, destacou Hafers.

 

 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo