RJ: Nova Iguaçu decreta estado de calamidade pública por causa da chuva

A prefeitura de Nova Iguaçu (RJ) decretou estado de calamidade pública devido às fortes chuvas que atingem à cidade desde a madrugada desta quarta-feira. O prefeito Nelson Bornier (PMDB) suspendeu as aulas das escolas municipais e liberou seis Centro Integrados de Educação Pública (Cieps) para receber os cerca de 2 mil desabrigados e desalojados.

 

Aproximadamente 30% da cidade registram inundação, segundo estimativa do prefeito, que sobrevoou a região no início da tarde de hoje e decidiu decretar estado de calamidade pública. A maior parte dos desabrigados e desalojados, de acordo com ele, está sendo acolhidos em igrejas evangélicas e católicas.

 

“Fomos surpreendidos com este temporal, que inundou os quatro cantos da cidade. Estamos com o município alagado em diversos bairros. Estamos recebendo a ajuda da população, que está respondendo às necessidades com donativos, roupas, colchonetes e cestas básicas. Estamos trabalhando para dar o apoio necessário a essas famílias e retornamos o mais rápido possível à normalidade”, disse Bornier.

 

Houve um desmoronamento no Morro do Inferninho, no bairro de Austin, e 50 famílias foram retiradas do local pela defesa civil do município, que condenou os imóveis. Segundo a prefeitura, há um ferido sem gravidade e Bornier está sobrevoando a cidade para avaliar os estragos. O prefeito solicitou ainda ajuda ao governo estadual para lidar com os rios e valões que transbordaram.

 

A Defesa Civil municipal e os bombeiros seguem com as buscas pelo pedreiro Martim Mesquita da Silva, 50 anos, desaparecido desde a madrugada, quando foi arrastado pela correnteza do rio que corta o bairro de Austin.

 

A rodovia Presidente Dutra, um dos principais pontos de acesso à cidade e a São Paulo, tinha, às 14h40, cinco pontos de alagamento: os quilômetros 175 e 186, em Nova Iguaçu, o quilômetro 163, na altura do Rio de Janeiro, 174 em Belford Roxo e 202 em Seropédica.

 

O canal do Paiol, no bairro de Vila Cava, transbordou, deixando cerca de 1 mil desalojados. O município estava em estado de emergência desde segunda-feira e ainda não havia se recuperado do temporal que atingiu o Rio na quinta-feira. A Diocese de Nova Iguaçu também liberou as paróquias para receber desalojados e desabrigados.

Prefeitura pedirá ajuda do Estado

O prefeito está em contato com o governo do Estado, que já destinou máquinas e equipamentos para ajudar as equipes de resgates e limpeza. Bornier informou ainda que vai solicitar auxílio ao Ministério da Integração Nacional, para que libere recursos que possibilitem reconstruir a infraestrutura da cidade, principalmente a malha viária, que teve o asfalto bastante danificado, e a recolocação da rede de drenagem, em muitos locais arrancada pela correnteza. Ele declarou que ainda não é possível estimar o valor do prejuízo.

 

Bornier disse também esperar que a concessionária da rodovia, a Nova Dutra, invista mais para evitar enchentes em determinadas áreas. “Ela não se preocupa com o seu deságue. Fica a cargo de cada município. Ela deveria se preocupar como um todo, não é só fazer uma rodovia sem que se preocupe também com o deságue em cada bairro com que ela vai se encontrando em sua extensão”, disse.

 

A empresa CCR Nova Dutra informou, por meio de sua assessoria, que não se pronunciaria sobre a declaração do prefeito.

 

Chuva também atinge São João de Meriti

 

No município de São João de Meriti choveu 123 milímetros das 18h de ontem até as 11h de hoje. A Defesa Civil também registrou pontos de alagamentos nos bairros do Éden e Parque Juriti, além do transbordamento do rio Pavuna, que está em alerta máximo.

 

Mesmo com o temporal, a Defesa Civil informou que não houve necessidade de acionar as sirenes do sistema de alerta para que as pessoas procurassem abrigo. Também houve dois deslizamentos de pequeno porte nos bairros de Analândia e Parque Araruama.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here