MARACAJU

Sebastião faz reflexão sobre o ano de 2013 na casa leis de Maracaju

Vereador de primeiro mandato, no entanto, com bastante exepriência no que se diz respeito a órgãos públicos, já que militou a frente de várias pastas na prefeitura, Sebastião Soares Arguelho, aproveitou a última sessão aberta da Câmara de 2013 para fazer um reflexão sobre o trabalho da Câmara neste ano. O vereador disse da importância das discussões sempre com foco no que de melhor o poder público deve oferecer para seus munícipes, e destacou o prazer de trabalhar pela população. “Esse ano para muitos de nós novatos em especial esse que vos fala, no desempenho da vereança, foi muito prazeroso como também de muito aprendizado, tudo isso através de muita dedicação no mandato a que nos foi concedido pela população” elencou Arguelho.

 

De acordo com o vereador foi um ano de muito aprendizado “Muitas das vezes encontramos dificuldades nas proposições, atrasando ou impossibilitando nossas reivindicações por dificuldades e interesses normais do processo democrático. Porém não abandonamos a luta,sempre estando atentos a todas as reivindicações que nos foram passadas pela população”.

 

Sebastião Arguelho lembrou os assuntos mais polêmicos tratados pelo Legislativo e que foram democraticamente discutidos, aprovados ou não. “Todos os Projetos de Leis, enviados pelo Executivo foram discutidos arduamente, até serem submetidos em plenário para aprovação. Alguns trouxeram embates, que até causaram dissabores, algo normal no calor das discussões, saudável, pois a DEMOCRACIA valoriza a prática de discutir, para que possamos encontrar o melhor caminho, e a solução mais plausível”.

 

O vereador não deixou de enfatizar também o embate sobre a alteração na tabela do IPTU “O projeto do IPTU causou um grande impacto, pois aumentar tributos nunca é bem vindo, traz um amargor ao contribuinte, cansado de ser chamado todas as vezes que o caixa do poder público está debilitado, porém a contrapartida não ocorre como prometido. Muitos contribuintes chegam a ironizar que quem foi a favor teve algumas benesses”, isso causa muita tristeza, pois sabemos da nossa índole e no que acreditamos. Pois, sabemos que os tributos tem que trazer benefícios a população,quando  chamados a contribuir  exigem o retorno em ações voltadas para o seu bem estar”.

 

 

Para Sebastião Arguelho, o balanço é positivo tanto no seu trabalho, quanto no contexto geral da Câmara, que preservou a democracia, a integridade dos cidadãos e a evolução para uma cidade mais feliz, progressiva e melhor para se viver.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo