Dores crônicas já atingem mais de 60 milhões de brasileiros

As dores crônicas estão cada vez mais frequentes na população e geram irritação, insônia, ansiedade, depressão, restrições das atividades diárias e diminuição da produtividade. Entre os grandes vilões das dores crônicas estão a falta de condicionamento físico, postura inadequada, má alimentação, além de doenças reumáticas, câncer, degenerações ou inflamações nos órgãos internos. 

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED), as dores crônicas e as articulares relacionadas ao trabalho já atingem mais de 60 milhões de brasileiros. Para minimizar esse sofrimento é preciso mais que tomar um simples anti-inflamatório. A medicina integrativa, uma abordagem para tratamento de dores crônicas, vai muito além de receitar um medicamento, pois visa cuidar e melhorar o funcionamento do corpo como um todo. Independente da idade sugere tratamentos que são muito efetivos.

Segundo o nutrólogo Francisco Humberto de Freitas Azevedo (CRM-DF 14.747), também geriatra e homeopata do Instituto de Medicina Biológica de Brasília, que segue esta linha terapêutica, “associam-se a abordagem eletromagnéticas e homeopáticas aos tratamentos, o que tem resultado em melhorias substanciais para os pacientes. Além da terapêutica indicada, o paciente também tem orientações dentro do principio da nutrologia que identifica se existem hábitos que devem ser mudados.”

O alívio das dores começa logo nas primeiras sessões. O tratamento pode ser feito três vezes por semana, ou todos os dias, dependendo de cada caso. “Os pacientes se livram de dores que persistiam por anos e recuperam os movimentos. Isto para o idoso é muito importante, dá mais independência e qualidade de vida”, afirma Francisco Humberto. Ele recomenda ainda que as pessoas cultivem hábitos saudáveis, façam atividades físicas, hidratem-se bem e visitem periodicamente o médico especialista.

Se você sente dor crônica, marque a sua consulta (61) 3361-0790
www.institutomedicinabiologica.com.br

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here